Arquivos do Blog

Morre a atriz Rosita Thomaz Lopes aos 92 anos

Na noite desse sábado morre a atriz Rosita Thomaz Lopes aos 92 anos, ela morreu em seu apartamento na Zona Sul do Rio  de Janeiro, de falência múltiplas dos órgão.

A informação da morte foi anunciada pe sua nora Bárbara Harrington.

Carreira:

Atriz de cinema e tv, que nasceu  no dia 1º de junho do 1920, começou sua carreira na tv em 1963. Atuou nas novelas:

  • 1963 – A morte sem espelho (TV Rio)
  • 1963 – Pouco amor não é amor (TV Rio)
  • 1965 – Paixão de Outono – Linda
  • 1969 – Um gosto amargo de festa – Cecília (TV Tupi)
  • 1972 – Uma Rosa com Amor – July Smith
  • 1973 – Carinhoso
  • 1974 – Super Manuela
  • 1975 – Escalada – Noêmia
  • 1976 – Anjo Mau – Odete
  • 1977 – Nina – Marcolina
  • 1978 – Te Contei? – Hilda
  • 1979 – Marron Glacê – Leila
  • 1981 – Brilhante – Letícia
  • 1982 – Avenida Paulista – Renata Gouveia
  • 1983 – Guerra dos Sexos – Florissa
  • 1983 – Louco Amor – Nanda
  • 1987 – Carmem – Madame Klotz (Rede Manchete)
  • 1987 – Helena – Madre Superiora (Rede Manchete)
  • 1990 – Lua cheia de amor – Venância
  • 1990 – Rainha da Sucata – amiga de Laurinha
  • 1992 – Perigosas peruas – Valquíria
  • 1993 – Agosto – mãe de Alice
  • 1993 – Olho no Olho – Dina
  • 1994 – Pátria Minha – Úrsula Pelegrini
  • 1999 – Força de um Desejo – Fabíola

No cinema

  • 1956 – Com Água na Boca (como Rosita Lopes) [2]
  • 1964 – Sangue na Madrugada [3]
  • 1965 – Encontro com a Morte … Sonia[4]
  • 1967 – Cara a Cara … Mãe de Luciana[5]
  • 1967 – Garota de Ipanema
  • 1967 – El Justicero
  • 1967 – Mar Corrente
  • 1968 – Os Viciados
  • 1969 – Pobre Príncipe Encantado
  • 1971 – Ipanema toda Nua
  • 1972 – Um Marido Sem… É Como um Jardim Sem Flores
  • 1973 – O Descarte
  • 1975 – Enigma para Demônios
  • 1978 – A Lira do Delírio [6]
  • 1980 – Os Três Mosqueteiros Trapalhões – Dona Ana
  • 1989 – Faca de dois gumes
  • 1990 – Stelinha
  • 1994 – A Causa Secreta

Morre o Canto Chorão

Chorão estava no apartamento onde morava, em Pinheiros. Causa da morte ainda não foi divulgada.

O músico Alexandre Magno Abrão, o Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr, foi encontrado morto em um apartamento na Zona Oeste de São Paulo. Ele tinha 42 anos.

Chorão era um dos mais polêmicos cantores e compositores do rock nacional. Em 15 anos de carreira, colecionou sucessos como “Proibida pra mim” e “Zóio de lula” e brigas com outros músicos, inclusive da sua banda. Era também muito ligado ao skate – praticava o esporte e chegou a fundar uma pista.

Chorão foi encontrado desacordado pelo seu motorista, que acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A unidade de resgate constatou que ele já estava morto. A Polícia Militar disse ter recebido um chamado às 5h18 para “verificação de morte natural em um apartamento”. Chorão morava no oitavo andar do edifício na Rua Morás, em Pinheiros. O corpo foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML) por volta das 8h30.

O delegado Itagiba Vieira, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP),  investiga o caso. “Aparentemente não foi homicídio. O IML é que vai dar a causa da morte. Aparentemente ou foi por uso de medicamento ou outra substância”, disse. Segundo ele, o apartamento estava muito danificado. Itagiba acredita que os danos tenham sido feitos pelo próprio cantor, já que o corpo foi encontrado com um dedo machucado e havia marcas de sangue no local (leia: “‘Aparentemente não foi homicídio’, diz delegado sobre morte de Chorão”).

A apresentadora Sônia Abrão, prima do cantor, chegou ao prédio por volta das 8h. A assessoria de imprensa da banda informou ao G1 que Chorão estava de férias e embarcaria para os Estados Unidos nos próximos dias. Ainda segundo a assessoria, o estado de saúde dele era bom.

Cantor foi encontrado morto em seu apartamento, em Pinheiros (Foto: Alex Falcão/ Futura Pressa/AE)
Cantor foi encontrado morto em seu apartamento, em Pinheiros (Foto: Alex Falcão/ Futura Pressa/AE)

Perfil de Chorão O cantor e letrista, que faria 43 anos em 9 de abril, liderava a banda fundada por ele na cidade de Santos, no litoral de São Paulo, em 1992. Em 15 anos de carreira, o Charlie Brown Jr lançou nove álbuns de estúdio, dois discos ao vivo, duas coletâneas e seis DVDs. Ao todo, o grupo vendeu 5 milhões de cópias.

Além de vocalista, Chorão era responsável pelas letras do Charlie Brown Jr e pelo direcionamento artístico e executivo da banda. Em 2005, o trabalho “Tâmo aí na atividade” foi premiado com o Grammy Latino de melhor álbum de rock brasileiro, o que se repetiu em 2010 com “Camisa 10 joga bola até na chuva”.

No ano passado, o Charlie Brown Jr. lançou “Música Popular Caiçara”, álbum ao vivo que marcou o retorno dos integrantes Marcão e Champignon à banda. Eles haviam deixado o grupo em 2005. As apresentações aconteceram em Curitiba e Santos. A produção do trabalho foi feita por Liminha e os shows contam com a participação de Falcão (O Rappa), Zeca Baleiro e Marcelo Nova. Das 15 faixas do CD, a única gravada em estúdio é “Céu azul”.

Chorão foi o único integrante do Charlie Brown Jr que permaneceu no grupo em todas as suas fases. Paulistano, Chorão adotou a cidade de Santos desde a juventude, onde criou a banda. Seu apelido foi dado ainda na adolescência, quando ele não sabia andar de skate e ficava apenas olhando os amigos. Um deles, então, pediu que o jovem não chorasse. Segundo a GloboNews, a infância e a adolescência de Chorão foram difíceis por conta da separação dos pais, que aconteceu quando ele tinha 11 anos. O músico largou a escola na sétima na série.

Carro do IML chega a prédio onde Chorão morava (Foto: Letícia Macedo/G1)
Carro do IML chega a prédio onde Chorão morava (Foto: Letícia Macedo/G1)

O vocalista é também roteirista do filme “O magnata” (2007), do diretor Johnny Araújo, e do longa “O cobrador”, ainda em andamento. Como empresário, administrou marcas de skate, como a DO.CE, fundada por ele em 2009, e viabilizou a realização de grandes eventos de skate no Brasil, além de manter o espaço Chorão Skate Park na cidade de Santos desde 2006.

A estreia do Charlie Brown Jr aconteceu em 1997 com o lançamento do álbum “Transpiração contínua prolongada”. O trabalhou conseguiu o certificado de disco de platina ao vender mais de 250 mil cópias e tem como singles os sucessos “O coro vai comê”, “Proibida pra mim”, “Tudo que ela gosta de escutar”, “Quinta-feira” e “Gimme o anel”.

Sempre envolvido em polêmicas, Chorão deu uma bronca no baixista Champingnon em pleno show na cidade de Apucarana (PR) no final do ano passado. “Você voltou [para a banda] por causa de dinheiro”, disse, no palco. Poucos dias depois, Chorão compartilhou um vídeo ao lado do baixista comunicando que os dois já haviam feito as pazes.

Em 2004, Chorão agrediu Marcelo Camelo, do Los Hermanos, na sala de desembarque do Aeroporto de Fortaleza. Ele foi detido pela Polícia Federal e, mais tarde, processado por Camelo, sendo obrigado a pagar uma indenização por danos morais ao músico carioca.

O próximo show da banda estava marcado para o dia 22 de março, em Campo Grande, no Rio de Janeiro.

Fonte: PA

 

Candidato morre no “The X Factor” australiano

Divulgação

Concorrente passou mal enquanto esperava o momento de se apresentar para os jurados do reality

O mundo dos realities é repleto de fatos curiosos e, algumas vezes bizarros, mas esta semana as notícias chegaram a um outro nível. Um candidato ao “The X Factor” australiano morreu nos bastidores do programa enquanto esperava o momento de sua apresentação. O fato aconteceu na última sexta-feira (25) e a causa da morte ainda está sendo apurada.

Edward Andrews, 33 anos, estava ensaiando nos bastidores enquanto aguardava o momento para subir ao palco. O candidato sentiu um mal súbito e caiu no chão já desacordado. A produção do reality afirma que Edward foi levado imediatamente para o hospital, mas o participante não resistiu e morreu minutos depois.

A causa da morte ainda não foi divulgada. O programa divulgou uma nota dizendo que nenhum jurado estava presente no momento e que as audições eram um pré-teste para as gravações. A versão australiana do reality musical vai para sua quinta temporada em 2013.

Fonte Sangue sintético salva pessoa de morte iminente – não em “True Blood”, mas na vida real

Morre o Dublador do Carteiro Jaiminho do “Chaves”

 

Waldir_Fiori

Na madrugada de hoje morreu um dos maiores dubladores brasileiros, trata-se de Waldir Fiori, que já realizou diversos trabalhos de dublagem importantes na televisão, inclusive como autor na Globo em 1972.

Ele foi quem dublou o carteiro Jaiminho na série mexicana “Chaves”, Fiori fez Adam West em Batman, Argo Filch em Harry Potter, Jack Lemmon em Dois Velhos Mais Rabugentos, Amagi em Ultraseven, Epaminondas em A Casa Monstro e Sr. Fortunato Rico, em Cúmplices de um Resgate.

Outros trabalhos:

Henry em Os Jetsons
Napoleão e Tio Valdo em Os Aristogatas
Abílio em Bernardo & Bianca
Biruta em Robin Hood
Fernando de la Vega em María la del Barrio
Jack McGee (Jack Colvin) em O Incrível Hulk
Dr. Finkelstein em O Estranho Mundo de Jack
Alfred Pennyworth (Michael Gough) em filmes do Batman
Sr. Ignácio Robles em Viva às Crianças! – Carrossel 2
Cotton Hill em O Rei do Pedaço
Pedala Billy em Aqua Teen
Skitchy Rivers (Edward Bunker) em Golpe Baixo
Lobo Bobo em É o Lobo
Chefe em O Cão e a Raposa

Fonte: Tv foco

%d blogueiros gostam disto: